A Usina

História

Localizada na região conhecida como Cruz do Peixe, a edificação foi erguida no início do século passado e foi sede da Empresa de Tração, Luz e Força (E.T.F.L) da Paraíba, estação de bondes e oficina para veículos.

1912

De1964 ao fim dos anos 1990, a edificação passou a abrigar o almoxarifado e a garagem da Sociedade Anônima de Eletrificação da Paraíba (SAELPA).

1964

Em 2003, foi inaugurada a Usina Cultural Energisa, destinada exclusivamente à divulgação das manifestações culturais do Estado e da política de responsabilidade social da Energisa.

2003

Em 2013, a Usina Cultural Energisa completou 10 anos de atividades, promovendo a cultura nas suas mais diversas expressões. A data foi marcada com a realização do projeto 10 anos – 10 exposições, de artistas renomados das artes plátiscas paraibana.

2013

Fundação Ormeo Junqueira Botelho

A Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho teve início em 1985, na cidade de Cataguases, Minas Gerais, com atuação nas áreas culturais, sociais e ambientais. Hoje, a fundação tem atividades nos Estados de Minas Gerais, Paraíba, Rio de Janeiro e Sergipe, tendo como ponta-de-lança, a abrangência de suas “Usinas Culturais” – projeto desenvolvido para as empresas do Grupo Energisa, a Fundação atua também no desenvolvimento e manutenção de museus, arquivos e bibliotecas; recuperação de sítios históricos; restauração de obras de arte e arquitetônicas e preservação do folclore. Atualmente, a fundação apoia e gere também programas sociais e de preservação ambiental. O ano de 1996 marca o nascimento das Usinas Culturais, com o intuito de ampliar a participação da Energisa nas comunidades onde atuava na época: a Zona da Mata de Minas Gerais e o município de Nova Friburgo, no Estado do Rio de Janeiro, tendo como marco inicial foi a Usina Cultural de Cataguases, logo se estendendo para outros Estados onde o Grupo Energisa se faz presente, privilegiar pequenas cidades do interior do país, que passaram a receber programas ancorados em cultura e arte. Mais informações

Administração

Diretor Presidente

Diretor Presidente

Engenheiro eletricista. André Theobald nasceu em Petrópolis (RJ). Ocupou o cargo de diretor comercial corporativo do Grupo Energisa, liderando importantes projetos como a implantação dos postos de atendimento em todos os municípios do Estado e a criação de ferramentas de relacionamento com o cliente como o Ligo Já, o aplicativo para celular Energisa On e o novo site do Grupo Energisa. Em 2014, assumiu a presidência da Energisa Paraíba e Energisa Borborema. Com quase 30 anos de atuação no setor elétrico, André vive há dez anos em João Pessoa, tendo sido agraciado com os títulos de cidadão honorário da capital, de Campina Grande e de Bananeiras.

Gerência de Comunicação e Marketing

Gerente: Marina Rievers
Analistas de Comunicação: Alexandre Melo e Ana Raissa
Assistente Administrativo: Rayssa Dantas e Pedro Barreto (designer)
Estagiário: Nathália Gomes

Equipe Usina

Analista Administrativo: Taysa Villarim
Analistas de Comunicação: Matheus Senra e José Moura

Curadoria

A programação da Usina Cultural Energisa é definida por um Conselho Curador composto por representantes da diretoria da empresa, da Gerência de Marketing e Comunicação, sob consultoria do produtor e artista plástico Dyógenes Chaves.

Cessão e ocupação

Usina Cultural Energisa divulga artistas selecionados pelo Edital de Ocupação 2016-2017

 

 

Download

Últimas Exposições

Murilo Santos – Amor: às vezes nós com os tempos

Coletiva 5 – Everton David, Thercles Silva e Wagner Pina

Coletiva 6 – Flaw Mendes + Guto Holanda + Renata Cabral

Mesmas meninas, outras meninas – Margarete Aurélio