Agenda

23/07/2017

23/07 – Sarau Sanhauares com Chico Limeira

Chico Limeira é natural de João Pessoa. Proveniente de uma família de músicos, se afeiçoou cedo à arte. Em 1999 fundou, junto a alguns amigos, o Sala de Reboco, grupo onde começou a experimentar as primeiras composições e o contato com o palco.

Na banda conheceu o contrabaixo, instrumento que o ofereceu espaço em novos grupos e manifestações, ligando-o diretamente a várias vertentes da música popular brasileira. A efervescência de expressões e ritmos resultou em uma produção constante de composições, fator que instigou Limeira a procurar outras vias de escoamento da sua obra.

Em 2005, com 19 anos, foi premiado no Mpb – Sesc, festival de grande repercussão em todo o Nordeste. Na ocasião, obteve os prêmios de Melhor Letra, Artista Revelação e 3º Lugar do festival, com a música “Amargura Lépida do Tempo”. O destaque nesse festival o levou ao FENART (Festival Nacional de Arte), festival de respaldo nacional, realizado na Paraíba. A ocasião marcou o início da carreira solo de Chico, embora ele ainda seguisse ligado a outros grupos.

Participou de vários outros festivais, como o I Festival de Músicas Carnavalescas, realizado em 2006 pela Prefeitura Municipal de João Pessoa, com a marcha-rancho “Palhaço Canção” e mais uma vez do Mpb – Sesc, no mesmo ano, com o samba “Samba sem bem” (2º lugar, júri da crítica), que logo após foi gravado pela talentosa Rinah, passando a integrar as programações das rádios locais. Deu samba.

Estação Nordeste, Projeto Seis e Meia, Circuito das Praças, Festa da Música, entre vários outros eventos de grande expressão, já constam no currículo do jovem compositor, que trabalhou ao longo do tempo com artistas como Escurinho, Alex Madureira e Totonho, e integrou bandas como Tocaia da Paraíba e Projeto 50. Sonora Sambagroove e o Samba Trem das Onze completam a lista, estando as duas em plena atividade.

Atualmente a produção do primeiro registro fonográfico, o EP “Chico Limeira”, é o foco do artista. O samba se afirma de uma vez na obra de Chico e as influencias de Noel, João Nogueira, Cartola, Dona Ivone Lara e da ilimitada vastidão dos grandes sambistas vem a tona. “Sempre achei incrível o modo com que os sambistas lidam com a ‘língua brasileira’”, revela.

No show, sambas como “Chave de Cadeia” e “Samba sem Bem”, o bolero “De Repente”, a parceria com o pernambucano Zé Manoel “Quem não chora não mama”, entre várias, todas de autoria de Chico Limeira. A banda é formada por Regina Limeira (violão), Macaxeira Acioli (percussão), Rudá Barreto (guitarra) e Nildo Gonzalez (bateria).

Integrantes:
Chico Limeira – Cavaquinho/Baixo
Macaxeira Acioli – Percussão
Nildo Gonzalez – Bateria
Regina Limeira – Violão
Rudá Barreto – Guitarra/Baixo

Fonte: http://chicolimeira.tnb.art.br/