Agenda

31/08/2017

31/08 – Lançamento do livro ‘De Sinhá prendada a artista visual: os caminhos da mulher artista em Pernambuco’, de Madalena Zaccara.

Madalena Zaccara Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), bacharelado em Direito pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) mestrado (DEA) em História e Civilizações – Université Toulouse II, Toulouse, França e doutorado em História da Arte – Université Toulouse II, também em Toulouse, França, como bolsista Capes. Tem pós-doutorado pela Escola de Belas Artes da Universidade de Porto, Portugal, também como bolsista Capes. Atualmente é professor Associado da Universidade Federal de Pernambuco. Ensina no Programa Interinstitucional de Pós Graduação em Artes Visuais UFPE-UFPB. Lidera o grupo de pesquisa intitulado “Arte, Cultura e Memória” que se volta para a pesquisa da História e Teoria das Artes Visuais no Brasil com ênfase para o Nordeste. Atua principalmente nos seguintes temas: História da Arte e Crítica de Arte. É membro da Associação Nacional dos Pesquisadores de Artes Plásticas (ANPAP), da FAEB (Federação dos Arte Educadores Brasileiros) e do Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade I2ADS (Porto, Portugal).

É representante regional da ANPAP–Pernambuco (Associação Nacional dos Pesquisadores de Artes Plásticas) e membro do Comitê de História, Teoria e Crítica de Arte. Tem vários livros, capítulos de livros e artigos publicados. Contato: madazaccara@gmail.

.

ZACCARA, Madalena. Pedro Américo de Figueiredo e Mello : um artista brasileiro do século XIX. Recife : UFPE, 2011

ZACCARA, Madalena. Anotações sobre as artes visuais na Paraiba. João Pessoa : Ideis, 2009

Chapitres de livres

ZACCARA, Madalena de F. Artes Visuais : sobre Memória, identidade e Direito a Diferença In : Antimanual de Direito &Arte. 01 ed. São Paulo : Saraiva, 2016, v.01, p. 83-91.

ZACCARA, Madalena de F. Verde que te quero Cabo Verde : breve olhar sobre a possibilidade de uma utopia In : Tessituras. 1 ed. João Pessoa : UFPB, 2016, v.01, p. 99-115.

ZACCARA, Madalena de F. Avis Rara In : Leituras diversas, crônicas, ensaios e.l 53 ed. João Pessoa : Ideia, 2014, p. 274-284.

ZACCARA, Madalena de F. Identidade e resistência como política nas Artes Visuais : Recife como referencial In : Pesquisas e Metodologias em Artes Visuais. 1 ed. Recife : Editora da UFPE, 2014, p. 255-264.

ZACCARA, Madalena de F. Pedro Américo de Figueiredo e Mello : Conexão Ciência &Brasil & Bélgica In : Brasil e Bélgica : cinco séculos de conexões e Interações.1 ed. São Paulo : Editora Um, 2014, p. 271-278.

ZACCARA, Madalena de F. Arte brasileira no século XIX : revivendo Pedro Américo de Figueiredo e Mello – In : Encontros e Conexões em Artes Visuais.1 ed. REcife : Editora da UFPE, 2013, p. 239-272.

CARVALHO, M. ; ZACCARA, Madalena de F. Experimentalismo na história da Performance In : Encontros e Conexões em Artes Visuais.1 ed. Recife : Editora da UFPE, 2013, p. 289-310.

Principaux articles

ZACCARA, Madalena de F. ; FRANCA, Marcilio. The quill and the brush: the Law Project of Pedro Américo about Artistical and Literary and the dialogue between Politics, History and Art. Rio de Janeiro: 19&20. 2016.

ZACCARA, Madalena de F. Das crioulas de Conceição : (inter) ações do Movimento Intercultural IDENTIDADES. Belém : Arteriais, 2016.

ZACCARA, Madalena de F. ; FRANCA, Marcilio ; AUGUSTI, Valeria. A pena e o pincel. O projeto de lei de Pedro Américo sobre a propriedade artística e literária e o dialogo entre politica, Direito e Historia da Arte. Revista de Direito Civil Contemporânea. v.1, p.115 – 137, 2015.

ZACCARA, Madalena de F. Sobrevivências : considerações sobre arte, gênero e lutas feministas em Pernambuco. Cartema. v.1, p.121 – 139, 2015.

ZACCARA, Madalena de F. Arterelacional : el desempeño del movimiento IDENTIDADES en espacios de colonización portugues In : II Congreso Internacional de Investigación en Artes Visuales. Editorial Universita Politècnica de València, 2015. P.728 – 738.

ZACCARA, Madalena de F. ; MORGADO, I. O corpo como instrumento político na obra de christina machado : uma artista mulher pernambucana In : Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas, 2015, Santa Maria. Anais [recurso eletrônico] do 24o Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas, setembro de 2015, Santa Maria, RS ; Universidade Federal do Rio Grande do Sul, PPGAV, 2015. v.1. p.371 – 382.

ZACCARA, Madalena de F. Utopia como sinônimo de esperança na renovação do olhar em espaços sociais de colonização portuguesa : o movimento intercultural IDENTIDADES In : Atas do 2.º Congresso da Rede Ibero Americana de Educação Artística/26.º Encontro Nacional da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual, 2014, Guimarães. Artes, Comunidade e Educação. Porto : Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual, 2015. v.01. p.60 – 75.

ZACCARA, Madalena de F. Arte& Utopia na sociedade do espetáculo: refletindo sobre a arte relacional do Movimento Intercultural IDENTIDADES. Segundapessoa. v.1, p.4 – 11, 2014.

DIEB, Helena ; TRAVASSO Barbosa, Uyara ; ZACCARA, Madalena de F. A discourse on the body trandy of Ronaldo Fraga In : 2o. CIMODE (International Fashion and Design Congress), 2014, Milão. 2o. CIMODE (International Fashion and Design Congress). Milão : School of Design – Politecnico di Milano, 2014. P.125 – 137.

ZACCARA, Madalena de F. A utopia no espaço social e artístico contemporaneo : In : II Congresso Internacional da Federração de arte educadores, 2014, Ponta Grossa. Arte e Educação Contemporanea :

metamorfose e narrativa do ensino-aprender. Ponta Grossa : Universidade de Ponta Grossa, 2014. p.120 – 132.

ZACCARA, Madalena de F. Identidade, colonialismo & utopia : considerações sobre a ação artística do movimento intercultural identidades na comunidade quilombola conceição das crioulas. In : II Congreso de Estudios Poscoloniales | III Jornadas de Feminismo Poscolonial, 2014, Buenos Aires. Epistemologías coloniales/des/poscoloniales. Buenos aires : IDAES | UNSAM, Programa Sur Global, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2014. v.1. p.120 – 135. Identidade e utopia : um discurso para os novos tempos In : Colonialismo, Por colonialismo e lusofonias, 2014, Aveiro. Atas do IV Congresso Internacional em Estudos Culturais. Aveiro : Museu de Aveiro, 2014. v.01. p.610 – 618.

ZACCARA, Madalena de F. Partidas e Regressos : a atuação do Movimento Identidades no arquipélago de Cabo Verde In : 23 Encontro Nacional da Associação Nacional dos Pesquisadores de Artes Plásticas, 2014, Minas Gerais. 23 Encontro Nacional da Anpap. Belo Horizonte : Editora da UFMG, 2014. v.1. p.60 – 75.

ZACCARA, Madalena de F. Utopia como sinônimo de esperança na renovação do olhar em espaços de colonização portuguesa : o movimento Intercultural Identidades In : XXVI Encontro Nacional da APECV, 2014, Guimaraes-Portugal. Atas do 2º. Congresso da Rede Ibero Americano de educação artística / 26º Encontro Nacional da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual. Porto : Ornelas, M. & Saldanha, A., 2014. p.110 – 122.

ZACCARA, Madalena de F. Artes Visuais e Identidade em espaços multiculturais não hegemônicos. Cartema. v.1, p.77 – 88, 2013.

ZACCARA, Madalena de F. Sobre o processo de manutenção de uma identidade nas artes visuais na contemporaneidade pernambucana : Bete Gouveia e Mauricio Castro. Segunda Pessoa. v.01, p.14 – , 2013.

ZACCARA, Madalena de F. Viver é se aventurar : Pedro Américo de Figueiredo e Mello. Correio das Artes. v.1, p.5 – 18, 2013.

TELLES, S. ; ZACCARA, Madalena de F. Juntos somos melhores. Memorias do Atelier Coletivo.1952 a 1957 In : xxiii CONFAEB. Congresso Nacional da Federação de Arte Educadores do Brasil, 2013, Porto de Galinhas. ARTE/EDUCAÇÃO NO PÓS-MUNDO. RECIFE : Editora da UFPE, 2013. p.73 – 82.

ZACCARA, Madalena de F. Sobre identidade e interculturalidade na pos-colonização : coletivo de ação e investigação (ID-CAI) In : 22º Encontro Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas : Ecossistemas Estéticos, 2013, Para. Anais do 22º Encontro Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas : Ecossistemas Estéticos / Afonso Medeiros, Idanise Hamoy, (Orgs.) — 1. Ed. – Belém : ANPAP ; PPGARTES/ICA/UFPA, 2013. Para. p.556 – 564.

Release do livro De sinhá prendada a artista visual: os caminhos da mulher artista em Pernambuco

Os estudos pioneiros sobre gênero no Brasil aconteceram na segunda metade do século XX. Algumas décadas atrasados em relação aos países anglo-saxões. Eles tiveram como objeto e cenário uma sociedade marcadamente desigual, católica e patriarcal e partiram de uma orientação muito mais moderada no que diz respeito ao confronto entre os sexos e mais articulada ao discurso dominante nas esquerdas do país. Entretanto, na medida em que se desenvolveram as reflexões e pesquisas sobre o tema as motivações e alianças políticas que marcaram sua origem deixaram de ser essenciais. Porem, enquanto algumas ciências humanas apresentam um quadro de investigações solidificado sobre o assunto, os debates sobre questões de gênero nas artes visuais do país não possuem a mesma dinâmica. Principalmente nas suas regiões não hegemônicas, nas quais se inclui o Nordeste brasileiro. Nelas, eles apenas se iniciam, bem como as pesquisas acadêmicas sobre o tema.

O Brasil em geral e Pernambuco em particular trazem consigo a marca de terem gerado inúmeros artistas com produção relevante para o país e para o mundo. Mas , Pernambuco, estudo de caso, é também um dos espaços brasileiros aonde, pedagogicamente, a mulher foi mais marcantemente condicionada pelo sistema patriarcal, por várias gerações, a uma existência e uma educação voltadas para o lar e suas afinidades. Uma boneca ancestralmente amestrada para a servidão e que, nas palavras de Gilberto Freyre foi programada para ser “um ser artificial, mórbido. Uma doente deformada no corpo para ser serva e boneca de carne do marido” .O Nordeste brasileiro “floresceu em famílias rurais ou semi-rurais, patriarcais, latifundiárias, escravocratas e, essencialmente, falocráticas” .Essa condição ancestral parece perdurar no inconsciente da região e talvez justifique a ainda reduzida quantidade e variedade de estudos desenvolvidos aqui sobre gênero em suas múltiplas abordagens. O apagamento da mulher artista na região é só mais um olhar entre tantos a desenvolver. O registro das mulheres artistas em Pernambuco, objeto dessa publicação, é apenas mais uma ação entre tantas a serem feitas, necessárias e urgentes.

Não queremos tratar aqui a mulher ou mais especificamente a mulher artista em qualquer contexto, inclusive o pernambucano, como se ela constituísse um grupo homogêneo ignorando assim as diferenças econômicas, sociais e cronológicas, principalmente em um tempo de mudanças cada vez mais rápidas. Não esquecemos também aquelas que não seguem o padrão da heterossexualidade ou do binarismo de gênero. Postulamos apenas voltar o nosso olhar para uma experiência comum a todas essas mulheres criadoras: a

situação de esquecidas ou de menos valorizadas pela história da arte pernambucana.

Não pretendemos, no intervalo de tempo delimitado para a pesquisa, ignorar que transformações se processaram e que o início do século XX difere do seu fim em relação à história da mulher artista no ocidente, no Brasil e mais especificamente em Pernambuco. Mas, é necessário não fugir ao fato de que existem semelhanças nos entraves sofridos na formação e vivência da artista mulher tanto no início do século XX quanto no seu fim. Iremos encontrar, nas páginas que se seguem, casos de artistas boicotadas pelas famílias e pelas instituições nos anos trinta ou quarenta, na década de cinquenta, mas também na de oitenta e noventa. A arte como alternativa profissional não foi bem vista quer pela família pernambucana de Tereza Costa Rego na primeira metade do século XX quer pela de Bete Gouveia na segunda. Duas artistas importantes para a história da arte pernambucana. A pergunta é: esse contexto mudou realmente tanto assim neste início de século, o XXI? Não temos distanciamento histórico suficiente para responder a essa questão. Mas, temos a possibilidade de agir como agentes de transformação. É o que pretendemos com essa publicação.

Após uma contextualização histórica que julgamos necessária tendo em vista que pretendemos ser didáticas traçamos os perfis de mulheres artistas pernambucanas do início do século XX ao início do XXI. Nestes perfis procuramos contemplar dados bibliográficos, exposições e fortuna crítica de cada artista perfilada. Também fizemos um pequeno comentário para que assim elas se tornassem mais próximas de nós, que as buscávamos.

Não acreditamos ou pretendemos que o levantamento tenha sido completo. Dispúnhamos de pouco tempo dentro do cronograma do FUNCULTURA, o Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura que é o principal mecanismo de fomento e difusão da produção cultural no Estado e que tornou possível essa pesquisa e essa publicação. A dificuldade de fontes primárias ou bibliográficas no que diz respeito àquelas que já não existem mais e das quais só resta um nome citado em algum salão, exposição ou crítica em jornal local também se constituiu em um entrave bem como a adoção do nome do marido por algumas artistas que, em muitos casos, tornou a tarefa de resgate ainda mais árdua. Mas conseguimos levantar o perfil de (numero de artistas levantados) …… artistas e listar outras( numero de artistas listados) que disponibilizamos em ordem cronológica utilizando o critério da produção localizada. Outras pesquisadoras certamente completarão nosso trabalho. È assim que compreendemos a história: dinâmica.

Queremos ressaltar essas dificuldades encontradas no levantamento dessas mulheres artistas pernambucanas. Sem registros nas instituições nem arquivos privados disponíveis, de muitas delas só sobreviveram ao tempo, como

dissemos anteriormente, notas vagas sobre a participação em algum salão ou citação eventual em algum livro voltado para outros assuntos. Essas artistas estão citadas na pesquisa sob o título de “outras artistas pesquisadas” que contempla exatamente o que conseguimos localizar sobre elas. Também foi difícil a localização e colaboração de algumas artistas contemporâneas. Isso explica uma quantidade maior ou menor de informações sobre algumas delas.