Agenda

11/10/2017

De 11/10 a 24/11 – Exposição ‘Expressões do Brejo’ com os artistas da cidade de Guarabira: Angel Valdez, Braguinha, Elias dos Santos, Elizeu Medeiros, Ermínia, Joilson Pontes, José Guilherme, José Wellington, Ronaldo Ferreira e Thales Kelven.

Expressões do Brejo – Pinturas, coletiva com artistas da cidade de Guarabira: Angel Valdez, Braguinha, Elias dos Santos, Elizeu Medeiros, Ermínia, Joilson Pontes, José Guilherme, José Wellington, Ronaldo Ferreira e Thales Kelven.

São 22 obras (pinturas sobre tela) produzidas entre 2012 e 2017. Obras dos acervos dos artistas e dos colecionadores Zenóbio Toscano e Percinaldo Toscano.

Até 24 de novembro de 2017, de terça a domingo, das 13h às 17h

Onde: Galeria Alexandre Filho, Usina Cultural Energisa (Rua João Bernardo de Albuquerque, 243 – Tambiá – João Pessoa-PB)

Obs. Acesso pela Rua Agropecuarista Síndio Figueiredo (por trás da Usina Cultural)

Curadoria: Dyógenes Chaves

Organização: Gerência de Marketing, Cultur

A Usina Cultural Energisa dá continuidade ao seu objetivo de mostrar a produção de artistas paraibanos contemporâneos. Desta vez, propondo uma exposição coletiva com a participação de artistas da região do Brejo paraibano, do município de Guarabira. Aliás, diga-se que esta cidade é destaque no cenário estadual como uma daquelas que mais incentiva a cultura, seja por meio do fomento à produção de artistas locais ou em novos espaços culturais, como é o caso do Museu de Arte Sacra Fernando Cunha Lima, da Galeria de Arte Antônio Sobreira, do Memorial do Cordel José Camelo de Melo Resende e do recém inaugurado Casarão da Cultura, que abriga o Museu da Imagem e do Som, a Galeria de Arte Naif, o Museu de Arte Popular e o Memorial dedicado à família Cunha Rego.

E essa mostra coletiva, sob a coordenação do artista Angel Valdez, apresenta seleto grupo de artistas – uns mais jovens, outros mais experientes –, de diferentes linguagens, técnicas e categorias, na simples ideia de cumprir nosso objetivo: exibir e disponibilizar ao público, aqui na Usina Cultural Energisa, a produção cultural que se revela (e surge) de todos os rincões do Estado, não somente da Capital.

A exposição acontece no novo espaço localizado no prédio do Espaço Energia, a Galeria Alexandre Filho, recentemente inaugurada, numa homenagem a esse artista – que, aliás já residiu em Guarabira –, e é dedicada a mostrar a rica produção de artes visuais da Paraíba, da qual Alexandre é um dos principais protagonistas.

Parabéns aos artistas de Guarabira.

Texto de apresentação

Por Angel Valdez, Artista plástico e diretor da Galeria Antônio Sobreira, Guarabira

Expressões do Brejo

A trajetória artística dos pintores que hoje apresentamos aponta para o sucesso. Novos caminhos devem ser encontrados, pavimentos precisam ser acabados. Por isso esta exposição pretende levar o público ao contato com as obras destes artistas, uns já experientes, outros no começo de carreira, mas quase todos nascidos ou radicados no Brejo paraibano, mais precisamente na cidade de Guarabira.

O andar de nossa era nos depara com certa decadência da mídia escrita, da excelência dos produtos e dos meios de produção, com tudo isso tornando-se cada vez mais imaterial, as pessoas se tornam más, vulneráveis aos efeitos do todo o que representa um olhar crítico; tudo se filtra através das comunicações e está cada vez mais atrelado à televisão e à internet. Hoje o caminho a percorrer do artista é árduo e cheio de obstáculos.

Fico sumamente agradecido pela oportunidade de cooperar, embora que modestamente, o que me dá a possibilidade de compartilhar, de fazer parte de tudo isto, mantendo o privilégio de vermos avançar, dia a dia, os nossos trabalhos comprometidos numa trajetória vitoriosa. Na verdade, queria ter amplo conhecimento da língua portuguesa para expressar o que realmente sinto. Não tenho a menor intenção de ser um crítico de arte, pois não sou, daí não posso entrar no mérito de fazer um comentário crítico sobre as obras desses artistas, me referindo às diferentes escolas, clássica, realista, naïff…

Ora, cada artista tem sua própria apreensão das coisas, da vida, da filosofia, de sua estética particular, da sua comunicação com o resto do mundo. Os costumes, as aparências dos seres e das coisas, os sistemas, foram se transformando através dos séculos, e foram refletidos e revelados pelas artes. Porém o que não se transformou (nem se transformará), apesar de tudo e de todos, é a riqueza de detalhes do próprio mundo visível. O roseiral dá rosas e a mangueira ainda dá mangas, o riso é riso e o pranto é choro. Em todo caso nossos artistas admitem o erro, mas não a paralisia.

Que o olhar do artista se volte para a cidade ou região em que vive, nada de mais natural. Afinal o próprio conceito de arte nasce com a cidade, e que a história da arte coincida com a história da cidade (que ela seja uma história da cidade), essa é uma ideia já suficientemente explorada. Ela põe em relevo a cumplicidade entre a emergência de um modo de produção e os valores que com ele surgem; entre uma estrutura que forjamos para produzir o mundo a estruturas que criamos para compreendê-lo. Nesse sentido, o campo da arte não pode ser da apreciação desinteressada que a estética consagrou, mas o da materialização de nossas reflexões (das reflexões do artista tanto quanto do espectador) sobre a realidade.

Artistas novos da cidade ou do interior ungidos pelos pensamentos expressam através da pintura coisas do cotidiano, as festas juninas, as paisagens agrestes ou os mitos da criação. Simplicidade e espontaneidade refletindo a cor e a forma em uma infinidade de possibilidades concretas. Cada um dos artistas aqui presentes nos mostra uma coletânea muito fácil de ser compreendida, porque é verdade. E ninguém pode negar a verdade.

Currículos dos artistas

Angel Valdez é natural de Mar del Plata (1948), criado em Buenos Aires e radicado em Guarabira/PB. Artista e professor de desenho artístico. Graduação em Belas Artes na Academia de Belas Artes, de Buenos Aires. Atualmente é diretor da Galeria de Arte Antônio Sobreira (Guarabira/PB). Realizou diversas mostras e ministração de cursos de artes, especialmente para crianças, na Colômbia, Peru, Bolívia e Brasil. Sua última exposição na Argentina foi em 1976, em Resistencia, região do Chaco. Em 2013 realizou a mostra individual Tango e Cores, em Guarabira.

Marcelo Ribeiro (Braguinha) nasceu em Barra de Santa Rosa/PB e está radicado em Guarabira há mais de 30 anos. Quando criança desenhava e pintava nas calçadas as paisagens de sua cidade. Foi letrista e pintou placas comerciais como sobrevivência. É policial e em suas horas vagas pinta em óleo sobre tela.

Elias dos Santos nasceu em Caruaru/PE (1958). Radicado em Guarabira. Atua desde os 12 anos nas artes visuais e trabalha com pintura, escultura, desenho, gravuras. É poeta, ator, ilustrador de livros e músico. Como professor de artes ministrou cursos de pintura promovidos pelo Sesc e Senai. Ministra cursos de Artes Plásticas na Secretaria de Cultura de Guarabira, no Executivo Colégio e Curso (Guarabira-Bananeiras), GEO Santo Antônio e Projeto Fazendo Arte, em Araruna. Criou o Projeto Artes Plásticas para o povo em Artdoor em 1993. Foi colunista de Artes nos Jornais do Brejo e Nosso Tempo. Exposições desde 1981 em cidades como Campina Grande, João Pessoa, São Paulo, Guarabira e municípios do Brejo e Curimataú paraibanos.

Elizeu Medeiros é natural de Guarabira/PB (1987). Começou sua trajetória nas artes em 2005, com o professor Angel Valdez. Participou de exposições coletivas no Sesc e na Galeria de Arte Antônio Sobreira. Atualmente está se dedicando à pintura de paisagem.

Ermínia Kaline Gonçalves de Andrade nasceu em Pirpirituba/PB (1986). Aos 15 anos passa a desenvolver a técnica de pintura a óleo frequentando cursos de pintura e desenho. Participou de várias exposições no brejo paraibano, em Pirpirituba e Guarabira. È aluna do professor Angel Valdez.

Joilson Pontes é natural de Mamanguape/PB (1979). Na infância, em Guarabira, teve a influência do pai artista e conhecido como João Pintor que executava pinturas em carrocerias, letreiros, faixas, paisagem de igrejas e quadros. Desde 1994 vem participando de exposições coletivas em Guarabira e cidades vizinhas. Em 2017 foi selecionado para a Bienal Internacional de Arte Naif, em Socorro, São Paulo.

José Guilherme nasceu no Rio de Janeiro (1959). Artista Naif. Atualmente mora e trabalha no Rio de Janeiro. Zé é um andarilho das artes, viajando continuamente por diferentes localidades, sendo que a sua cidade preferida, depois do Rio de Janeiro, é

Guarabira. Sofre influencias em seu trabalho do artista Heitor dos Prazeres. Sua pintura aborda a cultura popular, com destaque também para a religiosidade de matizes africanas (Umbanda). É fundador da Feira Hippie de Ipanema, no Rio de Janeiro.

José Wellington nasceu em Guarabira/PB (1982), onde vive e trabalha. Pinta desde 2003, sempre atuando na arte Naif. Participou de exposições na região do Brejo paraibano e no Sesc Centro, em João Pessoa

Ronaldo Ferreira de Lima é natural de Cacimba de Dentro/PB (1983). Autodidata. Seu primeiro contato com a pintura foi através do arquiteto Marcony Grevi na cidade de Natal, no Rio Grande do Norte, em 2005. Desde então tem participado de exposições no Brejo e no Curimataú paraibano.

Thales Kelven nasceu em Casserengue, Curimataú paraibano. Filho de professora e de agricultor. O artista consegue expressar de maneira muito própria, com a sua caligrafia, o cotidiano vivenciado pelo povo nordestino sofrido da seca, permeado pela fauna e a flora silvestre. Tem realizado exposições pelo Brejo e Curimataú da Paraíba.